Instituto Gutenberg
logojj.gif - 14,47 K

Dicionário

F, de VLS


Ainda é tempo de, tal como feito com a legislação após a redemocratização de 1985, de a imprensa promover uma "remoção do entulho autoritário" do dicionário. Os anos de ditadura legaram um palavreado esquisito que as fontes forjavam e os jornalistas repetiam, e ainda hoje permanecem vivos no noticiário. Dois exemplos: "Extratos de baixa renda" e "habitações subnormais". A primeira, ainda muito comum, quer dizer pobres, e a segunda, favelas ou cortiços. Outro legado do Brasil Grande dos militares foi um pomposo Veículo Lançador de Satélite, fabricado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.
O Saturno V, um gigante do tamanho de um prédio de quatro andares, que empurrou o homem para a Lua, em 1969, sempre foi chamado de foguete, mas, no Brasil, o foguete do INPE era importante, solene demais para merecer designação tão vulgar. O primeiro VLS explodiu no ar, em 1997, sem abalar a grandiloqüência do nome. Os jornais escrevem reportagens enormes sobre o programa espacial brasileiro sem, em nenhum momento, referir-se ao VLS como o que de fato é: um foguete espacial. 

Correção: o foguete é fabricado pelo Centro Técnico-Aeroespacial, CTA.


©Instituto Gutenberg
Boletim Nº 29 Série eletrônica
Novembro-Dezembro, 1999

  Índice

igutenberg@igutenberg.org


Jornal dos Jornais
Textos da coluna do Instituto Gutenberg na revista Jornal dos Jornais - nº 8 - Dezembro de 1999