Ditos&Pitos Instituto Gutenberg
logojj.gif - 14,47 K


Ditos&Pitos


“Vai ser um livro de humor?”
Amigos do professor americano H. E. Goodwin, ao saber que ele escrevia Procura-se > Ética no jornalismo.

Se as penas prescritas pela legislação fossem efetivamente estendidas aos homens de imprensa, não seria tão impressionante a taxa de arrogância e leviandade hoje registradas no Brasil.
Augusto Nunes, então diretor de redação de Zero Hora.

Se obtínhamos duas versões, solucionávamos as discordâncias mediante novas entrevistas. Se isso fosse impossível, abandonávamos o material que não podíamos confirmar .
Bob Woodward e Carl Bernstein, repórteres de Watergate, sobre o crédito às fontes em seu livro Os Últimos Dias.

Durante o regime militar (...), a maioria dos jornalistas se colocou em posição de rechaçar observações críticas sobre seu desempenho sob a alegação de que tal tipo de comentários facilitaria a tarefa dos censores e da repressão. Durante quase 20 anos, crítica a jornalistas foi tacitamente considerada um ato a se evitar em nome da liberdade. O retorno dos civis ao poder encontrou uma geração jornalística arrogante.
Carlos Eduardo Lins da Silva, no livro O adiantado da hora.

Jornalismo é uma questão de ênfase.
Paulo Francis, no Estadão, 13/6/96.

Três jornais hostis devem ser mais temidos que mil baionetas. Napoleão Bonaparte.

(...) o jornalismo se parece com a democracia: só continua existindo porque ninguém inventou nada melhor.
Luiz Garcia, no Globo.

©Instituto Gutenberg
Boletim Nº 26 Série eletrônica
Maio-Junho, 1999

  Índice

igutenberg@igutenberg.org


Jornal dos Jornais
Textos da coluna do Instituto Gutenberg na revista Jornal dos Jornais - nº 2 - Abril de 1999

Leia mais:
Colunismo - A doença infantil do jornalismo