Processo no monitor - Juiz da Austrália autoriza processo a partir da cidade onde queixoso leu artigo na Internet Instituto Gutenberg

Justiça

Processo no monitor

Juiz da Austrália autoriza processo a partir da cidade onde queixoso leu artigo na Internet

Um juiz da Austrália tomou uma decisão que deixa de cabelo em pé jornalistas de todo o mundo: o magistrado John Hedigan aceitou o pedido de um homem de negócios, Joseph Gutnick, para processar num tribunal australiano a empresa americana Dow Jones, que publica o maior jornal dos Estados Unidos, Wall Street Journal, e também a revista Barron´s. Era consenso, até agora, que os processos só podiam ser abertos no país onde o meio de comunicação é editado, no caso, os Estados Unidos. O juiz Hedigan considerou que a ação judicial pode ser apresentada ao tribunal da cidade onde o queixoso leu a reportagem...na Internet. No Caso, Vitória.

 O empresário Joseph Gutnick foi mencionado pela revista Barron´s numa reportagem da edição de outubro, cujo protagonista era Nachum Goldberg, acusado de lavagem de dinheiro. Segundo Barron´s, Gutnick era o maior cliente de Goldberg. A reportagem foi colocada na página da Dow Jones na Internet. Quando a leu, Gutnick decidiu processar a revista americana por difamação.

É apenas um caso, e ainda no início, mas o precedente do juiz australiano abre as portas para que todos os meios de comunicação que globalizaram suas edições por intermédio da Internet possam ser processados em qualquer lugar do planeta onde haja uma conexão com a rede mundial de computadores.

06/09/2001

©Instituto Gutenberg

  Índice

igutenberg@igutenberg.org

















Artigos Relacionados:

Leia também a página de ética em nosso Banco de dados